Pular para o conteúdo principal

ADOÇANTE OU AÇÚCAR? O QUE FAZ MAIS MAL A SAÚDE?

 


Açúcar ou adoçante? Após pedir um cafezinho, essa é a pergunta que costuma vir logo em seguida. Embora muita gente esteja escolhendo a segunda opção, existem dúvidas e receios relacionados ao produto. Será que ele ajuda a emagrecer? Quem deve incluí-lo no cardápio? Ele causa câncer?

 

Pessoas que usam adoçantes artificias, como sacarina, estévia, ciclamato, aspartame, acesulfame-K, sucralose, neotame e advantame, ou consomem produtos e bebidas com esses produtos, têm maior probabilidade de ganhar peso do que quem prefere a versão açucarada. Ou seja, o efeito é exatamente o oposto do que os consumidores esperam, de acordo com um novo estudo realizado pela Universidade do Sul da Austrália (https://doi.org/10.1007/s11883-019-0814-6).

 

A conclusão do estudo foi que os consumidores de adoçantes artificiais não reduziram sua ingestão geral de açúcar. Eles usaram tanto açúcar quanto adoçantes de baixa caloria e achavam que podiam comer livremente seus alimentos favoritos. Adoçantes artificiais alteram as bactérias intestinais, o que pode levar ao ganho de peso e ao risco de diabetes tipo 2.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o consumo, em excesso, tende a causar dor de cabeça, mal-estar, alterações de humor e diarreia. A dúvida sobre a possibilidade de o adoçante provocar câncer é polêmica e não existe consenso sobre o tema.

O aspartame, por exemplo, é contraindicado para quem tem fenilcetonúria, pois é fonte de fenilalanina, aminoácido que as pessoas nessa condição não conseguem metabolizar. Já o uso de acessulfame K não é aconselhado para quem precisa limitar a ingestão de potássio devido a alterações renais.

 

O ideal mesmo é saber moderar. Tanto o adoçante quanto o açúcar fazem mal em excesso. Por isso, é importante evitar alimentos que possuem altas quantidades, como os processados e industrializados, por exemplo. O cuidado na escolha deve ter uma atenção maior para pessoas diabéticas, alérgicas ou que possuem algum tipo de restrição alimentar.

Assim como toda mudança na alimentação, essa transição também não é fácil. Uma boa dica é ir reduzindo progressivamente o consumo, para que o paladar se acostume aos poucos, e não se torne uma experiência desagradável a ponto de te fazer desistir.

Que tal começar colocando algumas gotas a menos de adoçante no seu café? Ou até mesmo consumir frutas no lugar de doces após as refeições? Elas possuem frutose, que é um açúcar natural, e ainda contêm uma série de outros nutrientes positivos para o corpo. Mel, açúcar de coco e melado de cana também são opções mais saudáveis para substituir o adoçante na dieta moderadamente.

Comentários