Agrotóxicos: Ameaça Invisível!!!










Você sabe exatamente tudo o que come? Às vezes pensamos que por fazer refeições ricas em vitaminas, minerais e fibras estamos garantindo que teremos uma vida mais saudável. Infelizmente, isso pode não ser verdade. Os vegetais que chegam à nossa mesa podem estar contaminados por agrotóxicos de diferentes tipos, e nos trazer danos à saúde muitas vezes irreparáveis.
Cada vez que você come salada com pepinos, cenouras, alfaces e pimentões ou saboreia morangos na sobremesa pode estar ingerindo doses homeopáticas de produtos tóxicos.
Agrotóxicos são substâncias químicas ou biológicas usadas para combater possíveis pragas e doenças que possam causar danos às plantações. Existem três tipos: herbicidas (agem sobre as ervas daninhas), inseticidas (combatem as pragas) e fungicidas (atuam sobre os fungos que causam danos aos tecidos das plantas).
A nocividade dependendo do tipo do agrotóxico pode muitas vezes chegar de imediato, logo após a ingestão do alimento contaminado como:  vômitos, náuseas, tonturas, vertigens, dores de cabeça, cólicas abdominais, desorientação e dificuldade respiratória são apenas alguns dos sintomas. Irritabilidade, nervosismo, tremores e convulsões também podem ser desencadeados por esse tipo de intoxicação.
Como se pode ver, a sintomatologia não é muito específica ou definidora. Por isso, é sempre bom contar com acompanhamento médico nessas situações. Somente um profissional de saúde habilitado poderá fazer o diagnóstico correto, solicitando exames e testes esclarecedores e averiguando o histórico do paciente como um todo. Nada de correr riscos, o importante é procurar ajuda antes que o quadro evolua.

Em 2015, um caso que repercutiu muito na mídia, foi o do menino de sete anos morreu depois de comer uma couve que estava contaminada com agrotóxicos, em uma fazenda de Porto dos Gaúchos, a 644 km de Cuiabá, onde morava com os avós. Após passar mal, a criança foi levada ao hospital e morreu. De acordo com a Polícia Civil, o menino teria comido uma porção de couve durante o almoço com a família. A hortaliça era cultivada em uma horta da fazenda. A suspeita da polícia é de que houve excesso na quantidade do agrotóxico ou aplicação incorreta do produto.
O melhor é ter sua horta orgânica em casa ou comprar apenas alimentos orgânicos. 

REFERÊNCIAS:

- MENEZES FILHO, Adalberto. Desenvolvimento, validação e aplicação de metodologias para determinação de resíduos de agrotóxicos em manga por SPME-GC-MS e SPME-HPLC-UV-Vis. 2016.
- MARTINI, Luiz Carlos Pittol et al. Uso da prescrição de agrotóxicos no Brasil: um estudo de caso na região de Tubarão-SC. Extensio: Revista Eletrônica de Extensão, v. 13, n. 23, p. 71-82, 2016.
- DIAS, Isabel Cristina Lopes et al. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA SOBRE MÉTODOS DE DETECÇÃO DE AGROTÓXICOS EM AMOSTRAS DE ÁGUA. GEINTEC-Gestão, Inovação e Tecnologias, v. 6, n. 1, p. 2874-2884, 2016.
- CHAIM, ALDEMIR; VALARINI, PEDRO JOSÉ; PIO, LUIZ CESAR. Avaliação de perdas na pulverização de agrotóxicos na cultura do feijão. Pesticidas: Revista de Ecotoxicologia e Meio Ambiente, v. 10, 2015.
- CARNEIRO, Fernando Ferreira et al. Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. 2015.
- ARAUJO, Julyanner Leite Mélo Regis de et al. Ação educativa contra o uso de agrotóxicos na universidade aberta à Maturidade–UAMA/UEPB/BRASIL. In: V Congreso Latinoamericano de Agroecología-SOCLA (La Plata, 2015). 2015.